Médico revela a causa biológica da morte de Jesus na cruz – Série da Semana Santa

A verdadeira causa da morte de Jesus Cristo na cruz

Todos os cristãos sabem que Cristo morreu por eles na cruz. Mas um médico de Indianápolis que estudou crucificação por uma década diz que até você entender o que Jesus passou medicamente, é difícil apreciar o quanto Ele sofreu para pagar pelos pecados da humanidade.

“Foi a pior forma de morte imaginável”, disse Joseph Bergeron, autor de “A Crucificação de Jesus”.

“E os romanos usavam [a crucificação] há três séculos na época em que Jesus apareceu, então foi bem aperfeiçoado.”

O médico descarta a sufocação

Bergeron disse à CBN News que “na maioria das vezes, na Páscoa, ouvimos palestras sobre como Jesus sufocou enquanto estava na cruz”.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

No entanto, o médico diz que o sufocamento não combina com os relatos evangélicos de Jesus falando na cruz.

“Ele falou com o apóstolo João, por exemplo. Ele falou com os ladrões que foram crucificados com Ele. Quando você está sufocando e lutando pelo seu último suspiro, você não tem interesse em continuar uma conversa”, argumentou.

E embora isso fosse uma maneira ruim de morrer, os romanos se asseguraram de que uma morte relativamente rápida não deveria ocorrer, de modo que aqueles que eles crucificaram sofriam por muito mais tempo.

“Há referências literárias sobre pessoas que ficaram na cruz por uma semana. Quando você está sufocando, você não vai durar tanto tempo assim”, disse o médico, acrescentando: “Com a crucificação, foi uma morte lenta e torturante”. “

Evidências nas próprias palavras de Cristo: ‘Este é o meu sangue que se derramou …’


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A verdadeira causa da morte aparece nas palavras proféticas de Cristo na Última Ceia.

“Jesus nos disse como Ele iria morrer. Ele disse: ‘este é o meu sangue que é derramado para a remissão de pecados.’ Isso não é sufocamento. Isso indica sangramento até a morte. Isso é um choque [para o corpo]. Essas são às complicações do choque.”.

O termo médico preciso usado por Bergeron é “choque hemorrágico traumático”.

Cristo, mesmo conhecendo uma morte tão cruel estava correndo em direção a ela. Esta seria uma explicação para a estranha ocorrência de Ele suando sangue no jardim do Getsêmani.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

“E para ser honesto com você, eu nunca entendi isso ou pensei que isso tivesse acontecido”, admitiu Bergeron. “Mas estudando a crucificação extensivamente nos últimos 10 anos, eu entendi que realmente é possível suar sangue. Houveram poucos casos. Eles estão sempre relacionados a momentos antes de ferimentos graves e, geralmente, antes da execução. O suor de Jesus em gotas de sangue significava que Ele entendeu completamente o que estava prestes a acontecer.”.

Após ser traído por Judas e preso, Jesus Cristo foi levado por um grupo de romanos e judeus. Bergeron disse que “Caifás e o sinédrio condenaram-no por blasfêmia, que era punível com a morte”.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Mas sob o domínio romano os judeus não tinham autoridade para executar, então eles o puniram física e brutalmente. Então toda uma companhia de soldados romanos o espancou até o limite da sua resistência física.

O que irritou os romanos

O autor explicou: “Agora você tem que entender que os romanos não gostavam dos judeus para começar. Eles eram anti-semitas. E para eles essa pessoa [Cristo] que foi acusada era basicamente um causador de insurreição política: nomear-se rei dos judeus, isso teria aumentado a raiva deles e piorou o espancamento dos soldados romanos sobre Ele.

Bergeron disse a respeito de Jesus: “E assim, Sua surra excedeu o que era típico para as vítimas da crucificação. E ele teve uma grande perda de sangue e ferimentos nos tecidos”. Então o choque começou a ocorrer em seu corpo antes que Cristo atingisse o Calvário.

Por que Ele não conseguiu levar a cruz até o final sozinho?

“Parece que Ele começou a experimentar o choque apenas andando. Por isso Ele não conseguiu levar uma parte da cruz para o local da crucificação. Eles esperavam que Ele fizesse isso. Todo mundo fez, mas ele não podia”, disse Bergeron .


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Isso levou o médico a diagnosticar: “Então ele estava ficando fraco e entrando em choque naquele momento mais provável”.

Então veio a execução mais dolorosa e humilhante que os romanos podiam administrar. A crucificação é “considerada obscena”.

“Era considerado obsceno”, disse Bergeron. “Um cidadão romano nunca seria crucificado. Ela foi feita para insurgentes políticos, criminosos e escravos fugitivos.”.

Tudo punia o corpo de Jesus causando um choque tão traumático a ponto de matá-lo horas antes do que a maioria das pessoas crucificadas.

O médico explicou que o choque impediria que o sangue de Cristo coagulasse.

“Esta é uma complicação muito sinistra, difícil de controlar, mesmo em centros de trauma modernos. Na época de Jesus, não haveria tratamento e levaria à morte rápida. E isso explica por que Jesus morreu tão rapidamente: seis horas, em vez de dias.”.

Morreu da pior forma

O Filho de Deus morreu rapidamente, mas horrivelmente, o que deixou Bergeron maravilhado com o sacrifício. Ele comentou com à CBN News em um tom calmo e reverente, sobre a encarnação de Jesus:


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

“Ele se tornar um ser humano e vim aqui e fazer isso para retificar nosso relacionamento como humanos com Deus, redefinir e restaurar a comunhão com Deus, é uma coisa incrível.”

Então este médico compartilhou sua fé: “A oração para conhecer a Deus é tão simples. É como o ladrão na cruz. Ele não sabia o que dizer, então apenas disse: ‘por favor, lembre-se de mim.’ E uma oração sincera de qualquer pessoa nunca é rejeitada. Jesus disse a ele que ele estaria no paraíso naquele dia”.

Com informações: CBN News